Causas e Lições Narrativa

Deserto de Esperança

27 de Fevereiro de 2018

Entre os homens, esse é um lugar onde corpos celestes brilham mais forte.
Onde a areia e o sal parecem se mesclar à poeira estelar enquanto olhamos para o céu atrás de respostas.

Um lugar onde a seca preserva o passado intacto e o possível aprendizado toca cada cenário.
Aqui múmias e outros corpos custam a perecer.
Uma terra castigada, impregnada de sal, mas abençoada pela beleza.
Onde o ar é fino, frágil, escasso; e as estrelas quase podem ser tocadas.

Há muito tempo esse foi um lugar de passo. Uma conexão entre o altiplano e o mar.
Hoje é o lar de quem optou ou não por estar aqui.
Um contraste de amor e terror, em que o silêncio enaltece e assombra.

A 3 mil metros de altura, o mundo explora cada constelação, enquanto aos seus pés, famílias juntam retalhos de ossos. Peças de um quebra-cabeça que nunca estará completo.

Aqui a busca por vida extraterrestre no infinito se confunde à aflição na terra por entes sem paradeiro.
Removendo pedra por pedra, atirando sal e terra ao vento com pás forjadas em ferro e esperança.
Uma tentativa de desenterrar o passado para poder soterrar uma tristeza.

Enquanto o ALMA busca respostas, as almas buscam paz.
Tão intangível quanto o universo é a dor do espírito que não sossega.
Uma cicatriz aberta, que teima em nunca sarar.
Um ponto de interrogação que presente na falta.
Um casamento sem divórcio com o fantasma da esperança na ausência da certeza.

Essa é uma janela para o cosmos e um labirinto de redenção.
Onde o Vale de Marte e da Morte dividem o mesmo espaço.
Um lugar agraciado pela beleza da natureza, mas castigado pela ignorância do homem.
Um deserto de fé, entre o céu que nos faz sonhar e a terra que não as deixa dormirem.

Atacama.

 

Mesmo tantas décadas depois, pessoas continuam buscando desaparecidos da época da Ditadura Militar. Em Calama, porta de entrada para o deserto do Atacama, um grupo de mulheres varre planícies e montanhas atrás de respostas. Namoradas, esposas, filhas e mães que nunca souberam o paradeiro final daqueles que amaram. Numa busca incansável e paciente, dolorosa e pungente, apoiam-se umas às outras. E sob o céu mais bonito do mundo, as Mulheres de Calama esperam, com dignidade, fechar o ciclo de seu luto.

 

Foto: Gio Manfroi | Instagram @giomanfroi

TAGS

27 de Fevereiro de 2018

POSTS RELACIONADOS
Ahonikenk Chaltén

27 de Fevereiro de 2018

Um mergulho no Punbaj

31 de Janeiro de 2018

Entre rúpias, cúrcuma e tuc-tucs

7 de dezembro de 2017

Deixe uma resposta

Guilherme Hoefelmann
Baln. Camboriú, SC . Brasil

Não sou jornalista, não sou correspondente internacional. Na melhor das hipóteses, sou apenas um entusiasta. Seja bem-vindo ao Não Me Espera Pro Jantar.

Pronto para aventura!
Assine o blog

Digite seu e-mail para assinar este blog e receber as novidades do #NMEPJ!

Viva novas aventuras!
Posts mais lidos
Fazendo a Diferença