15 de março de 2016

Há situações que lamentamos que não tenham perdido atualidade com o passar do tempo. Nos negamos a escutar as vozes que nos advertem, mesmo não conseguindo sobreviver ao olho do furacão; e a vida passa como um caldo turvo infernal de frustração reprimida, energia nervosa, cafeina e álcool. Deixamos de levar adiante questões mais sérias como saborear um boa refeição, sentir aromas, compartilhar uma cerveja e desfrutar de amizades.

Os uruguaios tem um estilo de vida calmo, tranquilo, pausado. O constraste imediado a toda aceleração da vida “workaholic” ostentada com orgulho por nossas bandas.

Existe algo a ser aprendido quando se viaja pelo Uruguai. Algo sobre como se deve levar a vida com “despacio”. Aprende-se a viver e respirar, aprende-se a se demorar.

É lá que se apaga a luz amarela da correria e se substitui pelo tom avermelhado do por do sol calmo e sereno. A couraça emocional se mostra totalmente diluída nos ventos que dão sossego ao combalido coração.

A fúria se converte em calmaria e o tempo passa devagar.

TAGS
POSTS RELACIONADOS
Rutas

5 de março de 2018

Ahonikenk Chaltén

27 de fevereiro de 2018

Deserto de Esperança

27 de fevereiro de 2018

Deixe uma resposta

Guilherme Hoefelmann
Baln. Camboriú, SC . Brasil

Não sou jornalista, não sou correspondente internacional. Na melhor das hipóteses, sou apenas um entusiasta. Seja bem-vindo ao Não Me Espera Pro Jantar.

Pronto para aventura!
Assine o blog

Digite seu e-mail para assinar este blog e receber as novidades do #NMEPJ!

Viva novas aventuras!
Fazendo a Diferença